Logomarca NCA Comunicação

Nov06

A Farmácia Mudou de Endereço!

Escrito por Edson Vidal Categorias // Flagrantes do mundo jurídico Lidos 74

Foi na consulta que tive com competente neurocirurgião Dr. Luiz Ernâni Madalosso, meu amigo e irmão, que ouvi dele uma frase que retrata com fidelidade a saúde de todo o ser humano: “Existem duas espécies de pessoas: as que têm problemas de coluna e as que ainda vão ter um dia”.

É pura verdade. Com a idade avançando cada dia mais no tempo, o corpo sofre transformações e cobra pelos excessos no passado. São poucos os que não são acometidos de males comuns, sem perigo de morte. A esmagadora maioria na idade dos “enta” vai assimilando tudo que é prejudicial à saúde.

Quando jovem, jogar futebol na chuva era refresco, hoje, aos setenta uma corrente de ar súbita e uns poucos pingos de água na cabeça, pode ter consequências avassaladoras. E não é ser hipocondríaco, não. É que as doenças e os remédios fazem parte da vida dos idosos. Dizem os entendidos que a prática de esporte torna a velhice suportável, pois combate à obesidade e estimula o coração. Mentira. Via de regra os desportistas são os mais obesos, com raras exceções. E o coração é uma bomba relógio sempre pronto a pifar quando menos se espera. E o pior: tudo que é gostoso de comer, não presta porque prejudica a saúde. Açúcar, trigo e sal são o trio que causa todos os males; mas viver a vida sem os três é o mesmo que tomar banho no mangue. E tem remédio para tudo: de unha encravada e até para insônia; muito bem acondicionado dentro de caixas de papelão de todos os tamanhos e formas, com tarjas pretas e sem tarjas.

E os nomes? Cada um mais estrambólico que o outro, criados ao talante da mais obtusa imaginação. Difícil de assimilar e decorar, com bulas quilométricas escritas com letrinhas microscópicas. Idoso para ler necessita de lupa. Duvido que um médico entenda a composição de cada remédio que receita, eles apenas sabem para que sirvam. Com milhares de remédios não existe mente privilegiada que possa guardar todos os ingredientes de sua composição na cabeça.

E para receitar muitos usam do computador para poder lembrar. Hoje em dia falam tanto em bolsa família, mas nenhum parlamentar lembrou-se de instituir a “bolsa remédio” para os maiores de sessenta anos de idade. Estes só são lembrados para andar de ônibus grátis, estacionar o veículo em lugar reservado, pagar meia entrada no cinema e na hora de votar. Mas ninguém se lembrou do mais importante: o gasto com remédios.

Grande parte do salário dos trabalhadores se esvai com a compra de medicamentos, a maioria deles custando o “olho da cara”. Nenhuma empresa tem mais lucro no mundo do que os laboratórios que fabricam e comercializam produtos farmacêuticos. E na hora de pagar não tem choro e nem vela, é a vista ou no cartão para trinta dias. Tal como é na hora de comprar gêneros alimentícios.

Entre os dois só uma grande diferença: a comida a pessoa consome totalmente; medicamento sempre sobra e vai para o lixo. Um pecado mortal. Nas farmácias deveria existir possibilidade de recolher o excesso com a respectiva devolução proporcional do valor pago. Claro que tal prática não interessa para os fabricantes e intermediários.

E quando não vão para o lixo os remédios ficam “depositados” nas casas dos consumidores. Caixas, tubos, vidros, dispostos desordenadamente nos armários ou prateleiras, sem eira e nem beira. E quando sobrevém uma recaída o remédio guardado está vencido. O jeito é comprar outro igualzinho, só que o preço aumentou. Enquanto um novo mal estar não acontece cresce cada vez mais a “montanha” de remédios sem uso, em casa, ao nosso dispor. Parece no final das contas, olhando a quantidade deles, que as farmácias simplesmente mudaram de endereço...


“Idoso vive rodeado de remédios por todos os lados; é como uma ilha no meio do oceano. Pena que remédio não vale dinheiro para quem compra, só para quem vende. Se valesse, a ”terceira idade”
seria a mais desejada!”
Edson Vidal Pinto

blog comments powered by Disqus

Blog da Bebel

Ekôa Park inicia programação 2019 com cursos especiais de bioconstrução

Revestimentos naturais e hiperadobe estão entre os conhecimentos que serão oferecidos no Tekôa, com prática na Casa-Viveiro

Leia aqui

Instituição que atende crianças com câncer de todo o Brasil cria aplicativo

Facilidade, rapidez e praticidade para ter acesso a todas as informações sobre a APACN e para realizar doações

Leia aqui

Natal com 70% de desconto promete movimentar Curitiba

Mais uma edição do Bazar Moda do Bem está chegando nos dias 7 e 8 de dezembro

Leia aqui

Flagrantes do Mundo Jurídico

Pato Amarelinho.

Sentado sob o guarda-sol na beira da piscina, no dia útil de trabalho em que as pessoas se dedicam a faina diária com tarefas múltiplas e afazeres às vezes indigestos, eu estou apenas escrevendo esta crônica para matar o tempo.

Leia aqui

Filho Trapalhão.

Colocar filho no mundo sempre foi a aposta dos pais para que no futuro o pequeno rebento se revele cidadão probo e trabalhador. Não importa o sexo da criança, os sonhos acalentados são os mesmos, daí o esmero de carinho, proteção e orientação desde o berço.

Leia aqui

Enfim, Lucidez!

É complicado saber se aquele que trabalha e ama o que faz é ou não reconhecido pelo empregador. Claro, depende do empregador. Tem os que são sensíveis e sabem muito bem avaliar o desempenho de seus empregados a ponto de se esforçar para não perder os que merecem; existem aqueles que dão mais importância ao que os outros pensam para usar seus subalternos de acordo com as conveniências de terceiros; e os patrões que nada pensam e são frios como pedra de gelo. No mundo empresarial existe de tudo um pouco.

Leia aqui

No balcão sem frescura

Italianos e o Churrasco...

Quando criança, íamos passar o final de semana na chácara em São Luiz do Purunã. Me recordo de acordar aos domingos com o sino da igreja soando de maneira extremamente delicada, é algo que até hoje tem um significado

Leia aqui

Festival de Petisco em bares de Curitiba

Os amantes das comidas típicas de bares assim como eu, poderão se deliciar com o 1º Festival de Petisco de Curitiba

Leia aqui

“Típica dos botecos”, carne de onça vira patrimônio de Curitiba

Votação unânime na Câmara de Vereadores, nesta segunda-feira (5), promoveu a carne de onça – “uma comida típica dos botecos” – a patrimônio cultural imaterial de Curitiba (005.00096.2016)

Leia aqui

Mamãe, eu quero!

Férias em Curitiba

Está faltando ideia de programação para as férias? Fizemos um roteirinho para ajudar!

Leia aqui

Bolachas Decoradas de Natal entram na lista de presentes

Uma receita familiar é o início da história das Bolachas Vovó Elza

Leia aqui

Drone Kids School abre cursos de férias em Curitiba

Demonstração será neste sábado, aberta ao público

Leia aqui

E-ticket

Viajar de carro no Brasil

Cada vez mais as road trips são um novo segmento de destaque entre os Brasileiros. O resgate de viajar de carro é poder explorar e conhecer sem pressa os encantos de cada região

Leia aqui

Barreado fora de Morretes!!

Com esses dias frios, nada como comer bem. A dica de hoje é uma tradicional receita do litoral Paranaense: o barreado. Mas nem só em Morretes, podemos degustar essa maravilha e por isso mesmo listamos algumas opções locais imperdíveis

Leia aqui

Chope nas alturas

Sim, a notícia mais comentada da semana no setor de Turismo, depois das Olimpíadas, foi a divulgação da companhia aérea holandesa KLM que a partir de agosto, passará a servir chope de barril em seus voos

Leia aqui

Aplausos

Guairão receberá o Musical "Tommy" baseado na ópera rock do The Who

Versão musical ao vivo do filme, originalmente dirigido por Ken Russel, é montada com talento e sensibilidade. Os ingressos podem ser adquiridos pelo Disk Ingressos

Leia aqui

Peça baseada em texto de Hilda Hilst será encenada em Curitiba

O Caderno Rosa da Senhora H chega ao Novelas Curitibanas em fevereiro

Leia aqui

IL Divo chega em maio no Guairão!

Comemorando 15 anos de carreira grupo vocal de tenores apresenta em Curitiba sua nova turnê Timeless

Leia aqui